www.BairrodasLaranjeiras.com.br
ANUNCIE AQUI  |  INFORMATIVO  |  CONTATO

HOME Notícias semanais

CULTURA E TURISMO

ENDEREÇOS NO BAIRRO
Atividades físicas
Bares e Restaurantes
Cafés, Lanches e Sucos
Comércio e Serviços
Estabelecim/ de Ensino
Hospitais e Clínicas

FESTAS E EVENTOS

MATÉRIAS E NOTÍCIAS

MURAL DO BAIRRO

TRABALHOS SOCIAIS E
ASSOCIAÇÕES


UTILIDADE PÚBLICA

VARIEDADES
Anuncie no Bairro
Contato do Bairro
Blog do Bairro
Detalhes do Bairro
Fotos do Bairro
Informativo do Bairro
Twitter do Bairro



AMAL

Capa da Folha
Onde encontrar
Expediente



MACRO E MICRO

Gilson Nazareth
Mestre em Educação IESAE - FGV
Doutor em Comunicação e Cultura ECO - UFRJ


Desligue o aparelho auditivo
Aposente seus óculos para perto.
As tarifas não permite a comunicação contínua ao telefone e nem mesmo pelo correio.
...




No início de novembro os moradores de Laranjeiras e Cosme Velho foram surpreendidos com o anúncio do prefeito César Maia dizendo que a alça de acesso ao túnel Rebouças ficaria fechada por pelo menos seis meses. Depois de muita pressão popular e de ações conjuntas da AMAL, AMA-Cosme Velho e AMAB, liberou-se o acesso.
Para ilustrar o drama vivido pelos moradores no período em que viram o caos se instalar, ainda mais, no trânsito da cidade, publicamos o artigo da professora e moradora de Laranjeiras, Vanessa Paiva.

PARA REVITALIZAR A HISTÓRIA É PRECISO
RETROCEDER NO TEMPO?

Interromper a ligação do Cosme Velho com o Rebouças é alargar distâncias que já nem existem mais

Por Vanessa Paiva - Professora e Jornalista

Vontade de chorar. Foi isso o que senti ao ler a matéria “Planos para um novo Cosme Velho, com ou sem Rebouças”, assinada por Paula Autran, publicada na edição de ontem (04/11/07) do jornal O Globo. A chamada de capa já me deixou apreensiva. A imagem de um Cosme Velho romântico e tranquilo, livre do usual congestionamento provocado pelo túnel Rebouças, reforçou minha opinião inicial: vai sobrar para o Cosme Velho. Não deu outra. Cá estamos nós, moradores do bairro, ilhados, mas com a grande perspectiva de voltar a ser um bairro “de passado bucólico”, o berço de Machado de Assis. O escritor, que utilizava os espaços da cidade para ambientar suas histórias, certamente não teria gostado nada da notícia. Afinal, como perceber e retratar a cidade sem poder percorrê-la?

A suposta interdição definitiva das alças de saída e entrada do Rebouças no Cosme Velho vai, certamente, tornar o bairro mais calmo, “com crianças na rua, bicicletas, menos barulho e poluição”, como bem disse um dos personagens da matéria. Como moradora do bairro há 15 anos, concordo com tudo o que o rapaz falou. Para mim, a única coisa que não faz sentido é afastar o bairro do restante da cidade. Transito pela cidade com grande entusiasmo. Zonas sul, norte e oeste fazem parte do meu périplo cotidiano. Amigos, família e trabalho estão espalhados pela cidade. Se você não mora no bairro, acredite: uma das grandes funcionalidades de se morar por aqui é, justamente, poder se deslocar para os muitos lados do Rio.

Interromper a ligação do Cosme Velho com o Rebouças é alargar distâncias que já nem existem mais.
É, como querem alguns, “revitalizar a história do bairro”, recuperar um certo charme embolorado de um Rio de Janeiro que não cabe mais em si. Ora, para revitalizar é preciso retroceder? Discutir a qualidade de vida, os níveis de poluição do bairro, a revitalização histórica da região, os caudalosos engarrafamentos provocados pelos colégios da região e as extensas filas de ônibus de turismo que se amontoam ao longo da Rua Cosme Velho para visitar o Redentor: tudo isso precisa ser debatido, sim. No entanto, a solução para estes problemas não pode ser a interdição de um dos mais movimentados acessos de saída e entrada do bairro. Isto seria uma solução preguiçosa e derrotista. Quando o seu filho cai, você simplesmente o proíbe de andar?




PATROCINADORES
Clique e saiba mais sobre eles












REDES SOCIAIS








FOTOS DO BAIRRO



Clique na foto...





© 2005 - 2019 Isabel Vidal
Todos os direitos reservados



Jornal da AMAL
ano 27 - nº 222
novembro/2007